A queda - Diogo Mainardi

A queda

By Diogo Mainardi

  • Release Date: 2012-08-22
  • Genre: Biografias e memórias
  • Size: 8.28 MB
Score: 4
4
From 109 Ratings

Alternative Downloads

Server Link Speed
Mirror [#1] A queda.pdf 30,286 KB/Sec
Mirror [#2] A queda.pdf 47,760 KB/Sec
Mirror [#3] A queda.pdf 25,371 KB/Sec

Description

Diogo Mainardi em emocionante declaração de amor ao filho. Um dos mais polêmicos jornalistas do Brasil, Diogo Mainardi apresenta um livro de memórias contundente sobre a trajetória de seu primogênito Tito. Vítima de erro médico, em um hospital de Veneza, Tito nasceu com paralisia cerebral. De forma emocionante e surpreendente, Diogo relata como a relação com o filho norteou sua vida desde então, e como ele lida com a culpa e os culpados da paralisia de Tito. Em A QUEDA, ele conta cada vitória do filho, cada distância percorrida antes que músculos traiçoeiros o joguem ao chão. Mainardi se despe de todas as suas crenças e orientações — políticas ou não — para se revelar simplesmente um pai. Tão intrinsecamente apaixonado pelo próprio filho, tão em sintonia emocional com seu menino, que nos faz sentir quase voyeurs de um amor incondicional e irrevogável. Parceiros de uma história tão emocionante quanto surpreendente.

Reviews

  • Ótima história

    4
    By 3 horas
    Ótima história e ótima revelação do sentimento humano mais profundo. Apenas uma observação quanto ao comentarista do livro. Você sempre se depara com a palavra crasso erro médico, exuberante erro médico. A realidade, não conhecida do comentarista, seria dizer crassa consequência de erro médico, uma vez que os erros são discretos e humanos, como esquecer de trancar uma porta ou esquecer de colocar água para o cachorro. Mas a consequência é gravísima. A exigência dessa perfeita habilidade acima do ambiente humano exige, obviamente, uma remuneração também acima do ambiente humano para que se aproxime da máxima perfeição exigida pela sociedade.
  • A queda

    5
    By Elisete Viana
    Maravilhoso.
  • Não dá para terminar

    1
    By Borat retarded
    Patético, e agora em sua versão de exploração de prole. Diogo no seu melhor, o que, no caso, é a mesma porcaria de sempre.
  • Nao leio nada que venha deste ser.

    1
    By Citadino
    Nao leio absolutamente nada que venha deste ser. Quem leu me diga se o livro explica o porque do Diogo Mainardi ser tão ruim. Parcial , ofende as pessoas. Nao respeita a democracia.
  • Emocionante

    4
    By Luciana SR
    Emocionante, lindo.
  • Muito bom!

    5
    By Dany Ribeiro
    A emoção das ideias me levou às lágrimas.
  • Leitura obrigatória.

    5
    By GuiCarloni
    Três ou quatro horas são suficientes para uma lição abrangente e sem chavões, uma humanização sem veleidades, uma re-valoração laica das importâncias da vida - sem demandar renúncias ou culpa(bilidade). Aproveito pra perguntar: vcs já sentiram vontade de falar com algum escritor após ler uma de suas obras?
  • Primoroso !

    5
    By Saulo Ricardo Lopes
    Parabéns Diogo: primeiro pelo pai que é para Tito e posteriormente pelo escritor que sempre admirei e por poucas vezes odiei. Com esse livro você fez uma catarse. Garanto que seu sofrimento tornou-se menor, assim como com certeza você tornou-se um homem melhor após o nascimento de Tito. Um grande abraço. Saulo Ricardo Lopes - um simples pediatra; pai do Ricardo.
  • A vida de Mainardi é assim: um círculo.

    2
    By Guilherme Fichtner
    Sei que no fim das contas, muitos abestalhados darão notas ruins a este, e a qualquer outro livro de Diogo Mainardi, por ressentimento a sua coluna em Veja. Eu mesmo me aborrecia algumas vezes com seu jeito circular de escrever. Diogo, por vezes, introduzia primeiro seu argumento lateral, depois introduzia seu argumento principal, correlacionava os dois e arrematava com o primeiro argumento; em outras tantas, seu argumento inicial era o principal. Mas seu "círculo hermenêutico" estava sempre lá, intacto. Se existe coisa primorosa na escrita de Mainardi, esta é sua capacidade quase sobre-humana de relacionar qualquer coisa com qualquer outra. Em A Queda, essa capacidade de referenciação está lá, intacta, mas seu argumento principal, seu objeto de obsessão e de anulação, é sempre o mesmo: seu filho Tito. E como a escrita de Diogo Mainardi, a vida de Tito é circular; mas o é por puro capricho do pai. Tito, bravo e destemido portador de paralisia cerebral, aberrante fruto de uma barbárie médica, é exemplo a ser seguido - seguido sempre de perto por Diogo, que o tem como algo a proteger e a admirar. E como não admirar o gracioso menino que gargalha de qualquer queda, sua ou de terceiros, e nos encanta através dos olhos vidrados de seu idólatra. Em A Queda, vemos o desfalecer da crença na Ciência, no Estado e no Sistema. Vemos a queda da soberba de Diogo. Só Tito não cai; cada queda sua é acompanhada de uma gargalhada, uma incômoda gargalhada. E, ao fim do livro, essa é a imagem que fica: uma queda, uma gargalhada, um levantar e um círculo de superação que se alarga mas não se quebra. Assim é Tito, aos olhos de Diogo Mainardi.

keyboard_arrow_up